38% dos profissionais gastam mais de 1 hora no Whatsapp

No mundo corporativo, é comum as empresas liberarem o uso das redes sociais. Algumas até trabalham diretamente com essa ferramenta. Muitos negócios são fechados pelos facilitadores do Facebook e o Whatsapp. Mas, é preciso cuidado para não extrapolar, em especial quando o uso é liberado, mas o trabalho não depende desses meios para se comunicar!!!

 

O problema é quando ocorre o uso desenfreado das ferramentas. De acordo com a analista comportamental, Hérica Santos, o uso pessoal excessivo de aplicativos no ambiente corporativo vem trazendo prejuízos às empresas. “Para ajudar os funcionários a focarem no trabalho, algumas empresas limitam o acesso a determinados sites, por exemplo, para não prejudicar o cumprimento das tarefas. Isso é assegurado por lei e pode gerar punição, caso o colaborador não respeite as regras, mas hoje, com wifi esse controle se torna mais difícil”, explica.

 

Segundo o site de busca de empregos Jobatus, o Whatsapp é o aplicativo que mais impacta a produtividade dos profissionais brasileiros. A enquete realizada mostra que 93,8% das mulheres e 88,3% dos homens afirmaram utilizar o meio de comunicação com fins pessoais enquanto trabalham.

 

No caso de redes sociais, o uso cai para 63% para mulheres e 52% para homens. Do total, 38,2% afirmaram gastar mais de uma hora útil de trabalho em aplicativos no smartphone. Apesar dos números elevados, 28,4% dos usuários acreditam que o uso dessas ferramentas não causa distração e apenas 12% dizem acreditar que essa utilização é prejudicial.

 

De acordo com Hérica Santos, muitas pessoas ficam dispersas, conversam sobre assuntos particulares e perdem muito tempo utilizando esses aplicativos. “Na verdade, um dos grandes problemas que as pessoas enfrentam é não saber gerir o tempo, se organizar para entregar as atividades no trabalho a tempo, então, o mau uso desses aplicativos pode prejudicar o resultado”, afirma.

 

Categorias: Leia Também

Deixe uma réplica

Seu email não pode ser publicado.