Como usar a ciência para aprender um novo idioma

Quando se trata de aprender uma segunda língua, os adultos estão em desvantagem. À medida que envelhecemos, a plasticidade do nosso cérebro (sua capacidade de criar novos neurônios e sinapses) é reduzida. Após uma lesão cerebral que provoca a perda da fala, por exemplo, pesquisadores observaram que as crianças são mais propensas a recuperar o poder da fala, através da criação de novos caminhos no cérebro para substituir as danificadas.

Neste este estudo da Universidade de Cambridge afirma que adultos abordam a aprendizagem de uma nova língua como um processo de resolução de problemas de adultos, diferente de uma criança desenvolvendo sua linguagem pela primeira vez.

Embora isso signifique que adultos, geralmente, progridem através dos estágios iniciais da aprendizagem de uma língua mais rápido do que as crianças, as pessoas que estão expostas a uma língua estrangeira pela primeira vez durante a infância costumam atingir uma proficiência maior do que aqueles que começam como adultos.

Ainda há esperança, no entanto. Um estudo sobre a pronúncia em idioma secundário constatou que alguns alunos que começaram como adultos se saírem tão bem quanto os falantes nativos. Também foi demonstrado que a motivação para aprender pode melhorar a proficiência, portanto, nunca é tarde demais para aprender uma nova língua.

Se você quiser se esforçar para aprender uma nova língua, tente estes métodos que são conhecidos por melhorar a aprendizagem e a memória.

Repetição espaçada

A repetição espaçada é uma técnica de memória comprovada que ajuda a manter o que você aprendeu vivo em sua mente. Para isso, você deve analisar cada palavra ou frase aprendida em intervalos espaçados. Inicialmente, os intervalos serão menores: você pode rever uma nova palavra algumas vezes em uma sessão de treinos, e depois novamente no dia seguinte. Depois de conhecê-la bem, você será capaz de ficar dias ou semanas sem revisitação e não vai esquecê-la.

Aprenda antes de dormir

Um dos muitos benefícios que recebemos do sono é que ele ajuda a limpar a “caixa de entrada” do cérebro – o armazenamento temporário de novas informações e memórias do nosso tempo acordado. Precisamos de sono (mesmo que seja um cochilo) para mover qualquer coisa que aprendemos recentemente para o armazenamento a longo prazo do cérebro. Quando estiver armazenado com segurança, a repetição espaçada ajudará a fortalecer a conexão para que possamos recordar a informação mais rápido e com mais precisão.

Estude o conteúdo, não o idioma

Embora a maioria das aulas e programas de aprendizagem de línguas foquem puramente em aprender o idioma, uma pesquisa com alunos do ensino um estudo com alunos do ensino médio que estudavam francês descobriu que quando eles estudaram um outro assunto ministrado em francês em vez de uma classe de francês, se saíram melhor em entender a língua e ficaram mais motivados para aprender. Os alunos da turma francesa padrão se saíram melhor em testes de leitura e escrita, então os pesquisadores concluíram que ambos os métodos têm mérito.

Uma vez que você dominar o básico de uma nova língua, tente incluir alguns conteúdos em um tópico em que estiver interessado em melhorar a sua compreensão. Você pode ter conversas com amigos que aprendem a mesma língua, ler artigos online ou ouvir um podcast para testar sua compreensão.

Pratique todos os dias

Se você estiver ocupado, pode ser tentado a adiar o seu estudo e fazer grandes lições, uma ou duas vezes por semana. No entanto, estudando um pouco a cada dia é mais eficaz. Como a “caixa de entrada” do seu cérebro tem espaço limitado e só o sono pode limpá-la, você vai esbarrar em um “limite” do quanto você pode absorver muito rapidamente se estudar por horas de uma só vez.

Estudar um pouco a cada dia,combina repetição espaçada com o melhor uso do armazenamento temporário do cérebro.

Misture palavras novas com velhas

O cérebro anseia por novidades, mas tentar aprender muitas novas palavras ou frases de uma só vez pode ser muito pesado. Conceitos novos funcionam melhor quando eles estão misturados com informações familiares. Quando adicionar novas palavras ao seu vocabulário, tente misturá-las com palavras que você já está familiarizado para que elas se destaquem e sejam mais facilmente absorvidas pelo seu cérebro.

Via: Life Hacker

Categorias: Destaque

Deixe uma réplica

Seu email não pode ser publicado.