Cirurgia bariátrica é uma opção na luta contra a obesidade

A obesidade já é considerada por muitos profissionais da saúde como o mal do século. Indicadores apresentados pelo Ministério da Saúde em abril deste ano, apontam que a cada cinco brasileiros, um está obeso. Para reverter esse quadro, muitas pessoas buscam alternativas em procedimentos cirúrgicos, como a cirurgia bariátrica – intervenção que ocorre em órgãos do aparelho digestivo. De acordo com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica, o número de cirurgias bariátricas no Brasil aumentou 7,5% no ano passo.

O cirurgião do aparelho digestivo do Hospital Santa Clara, Dr. Marnay Helbo, explica que, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a recomendação da cirurgia bariátrica é estabelecida com base no Índice de Massa Corporal (IMC), que é uma relação entre o peso e altura do indivíduo. “É indicada para pacientes com o IMC maior que 35, desde que tenham comorbidades associadas como: a apneia do sono, pressão alta, diabetes, entre outros. Ou para aqueles indivíduos que tenham o IMC maior ou igual a 40”, afirma o médico.

Existem vários tipos de cirurgia bariátrica. No entanto, o Conselho Federal de Medicina aprova apenas cinco para serem praticadas no território nacional: bypass gástrico, gastroplastia vertical, conhecida também como sleeve, banda gástrica ajustável, duodenal switch e scopinaro. Dr. Marnay esclarece que “a indicação do tipo de cirurgia é individualizada para cada paciente porque cada técnica cirúrgica apresenta uma particularidade, como piora ou melhora do refluxo gástrico esofágico, a melhora do diabetes e menor ou maior absorção de nutrientes”.

O cirurgião também afirma que é necessário a avaliação de uma equipe multidisciplinar em que cada especialista irá aprovar ou contraindicar a cirurgia de acordo com protocolos pré-estabelecidos. “Segundo a OMS, a bariátrica é contraindica para pacientes com limitação intelectual significativa ou sem apoio familiar, nos casos de doenças cardiopulmonares graves, transtorno psiquiátrico não controlado (incluindo o uso de álcool e drogas ilícitas), mulheres grávidas, pessoas com tumores endócrinos, aqueles que possuem Síndrome de Cushing e em crianças e adolescentes que não terminaram a fase e crescimento”, específica Dr. Marnay.

A Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica indica a prática de atividades físicas para todos os operados e recomenda que as refeições sejam fracionadas em pequenas porções durante o dia e evitar beber líquidos durante a ingestão de alimentos. O médico diz que “do ponto de vista nutricional, os pacientes submetidos à cirurgia bariátrica devem ser acompanhados pelo resto da vida. Precisam fazer exames periódicos e repor vitaminas quando necessário”. O cirurgião aponta ainda que quando realizada por videolaparoscopia em pacientes adequadamente avaliados, a cirurgia apresenta baixo risco.

 

Os estudos científicos mostram que de 12 a 30% dos pacientes operados voltam a engordar, enquanto a maioria permanece com o peso magro em longo prazo. “Estes pacientes que continuaram com baixo peso, tiveram mudanças de hábitos e condições de vida. Sendo assim, a cirurgia não representa a cura da obesidade, mas promove a perda e manutenção do peso”, informa o médico. Após o procedimento, muitas pessoas se questionam se é necessário fazer uma cirurgia plástica para obter um resultado satisfatório. O médico esclarece que em alguns casos sim. “Pacientes que continuam em acompanhamento regular com a equipe multidisciplinar e apresentam abdômen avental, ptose mamária (mamas caídas) ou excesso de pele nos membros podem ser submetidos à cirurgia plástica reparadora”.

O cirurgião ainda observa o quadro social do obeso que pode ser revertido com a cirurgia bariátrica. “A obesidade promove uma exclusão social séria. Pessoas com excesso de peso são privados de usufruir de uma vida com plenitude e frequentemente são rotuladas como quem não tem força de vontade. Na verdade, o que apresentam é uma condição de saúde inapropriada e de difícil resolução”, finaliza o cirurgião.

 

 

Categorias: Leia Também

Deixe uma réplica

Seu email não pode ser publicado.