11 problemas que podem ser revolvidos com música

A música é um dos grandes prazeres da vida. Ele te anima nos momentos de tristeza, te faz dançar como um bobo e te ajuda a esquecer do mundo nos dias de estresse. Mas a música tem seus usos científicos, também. O documentário “Alive Inside” detalha como pacientes com demência reagem positivamente quando ganham iPods cheios de suas canções favoritas. Enquanto ouvem músicas conhecidas, muitos dos pacientes do documentário podem cantar junto, responder a perguntas sobre o passado e até mesmo a terem conversas breves com os outros.

O documentário acompanha estudos recentes que mostram que a música pode melhorar a memória de pacientes com demência, e até mesmo ajudá-los a desenvolverem novas memórias.

Pensando nisso, selecionamos outros benefícios que podem ser proporcionados pela música:

1. Baixo peso ao nascer

Bebês que nascem muito cedo, muitas vezes, requerem estadias prolongadas no hospital para ajudá-los a ganhar peso e força. Para facilitar esse processo, muitos hospitais utilizam música. Uma equipe de pesquisadores canadenses descobriram que tocar música para prematuros reduziram seus níveis de dor e incentivou melhores hábitos alimentares, que por sua vez ajudou com o ganho de peso. Hospitais usam instrumentos musicais para imitar os sons de batimentos cardíacos e do útero de uma mãe para ajudar bebês prematuros a dormirem. Os pesquisadores também dizem tocar Mozart para bebês prematuros reduz significativamente a quantidade de energia que gastam, o que lhes permitem ganhar peso.

2. Crescimento de plantas

Se a música ajuda bebês a crescerem, será ela pode fazer a mesma coisa pelas plantas? Um estudo publicado no livro The Sound of Music and Plants, demonstrou os efeitos da música no crescimento das plantas. Dois grupos de uma mesma espécie foram observados, sendo que ao redor de um deles foram executadas músicas calmas e do outro, apenas rock. No final do estudo, as plantas que “escutaram” músicas calmas cresceram com tamanho uniforme, e se inclinaram na direção da origem da música. As plantas que “escutaram” rock ficaram mais altas, mas estavam caídas, com as folhas murchas e foram se afastando da direção do rádio.

3. Os efeitos nocivos das lesões cerebrais

Pesquisadores usam música para estimular as áreas do cérebro que controlam o movimento e a fala. Quando tocado um ritmo para caminhar ou dançar, pessoas com danos neurológicos causados ​por acidente vascular cerebral ou doença de Parkinson podem recuperar um passo simétrico e um senso de equilíbrio. As batidas da música servem como uma sugestão para o cérebro.

Da mesma forma, o ritmo e a afinação podem ajudar os pacientes a cantar o que as palavras não podem dizer. Um estudo de crianças autistas, que não podiam falar descobriu que a musicoterapia ajudou estas crianças a articularem palavras. Algumas dessas crianças disseram que suas primeiras palavras, como resultado do tratamento.

4. Adolescentes chatos

As bibliotecas públicas, shoppings e estações de trem já sabe disso: adolescentes normalmente não gostam de música clássica, ao ponto de espantá-los “como ratos assustados em fulga”, diz o LA Times. A teoria é que, quando o cérebro ouve algo que não gosta, ele suprime a dopamina, “a substância do prazer”. E quando o humor dos adolescentes despenca, eles procuram outro lugar para trazê-lo de volta.

Então, se você quiser que os filhos dos vizinhos parem de fazer barulho na porta da sua casa, aumente o Tchaikovsky!

5. Perda auditiva

OK, talvez a música não possa curar a perda de audição, mas pode ajudar a preveni-la. Em um estudo com 163 adultos, 74 deles foram músicos ao longo da vida. Os participantes tomaram uma série de testes de audição. Os músicos ao longo da vida processaram melhor o som do que os não-músicos, o que aumentou ainda mais com a idade.

Um músico de 70 anos de idade conseguiu compreender um discurso em um ambiente barulhento, assim como um não-músico de 50 anos.

6. Um coração doente

A música pode ajudar os pacientes que estão se recuperando de ataques cardíacos e cirurgia cardíaca, reduzindo a pressão arterial, o ritmo cardíaco e a ansiedade. Como medida preventiva, tente ouvir música “alegre”, ou músicas que fazem você se sentir bem. Essa pesquisa descobriu que canções que evocam um sentimento de alegria provocam aumento da circulação e expansão dos vasos sanguíneos, o que incentiva a boa saúde vascular.

7. Mau desempenho no esporte

Em 2005, um estudo britânico descobriu que ouvir música durante o treinamento esportivo pode aumentar o desempenho atlético em até 20%. Este impulso é bem maior que o provocado por muitas substâncias dopantes ilegais, sem contar que a música não aparece em um teste de anti-doping. Para melhores resultados, tente ritmos mais rápidos durante o treinamento intenso e músicas mais lentas durante o relaxamento.

8. Falta de disposição dos adolescentes

Em um estudo de 2008, o pesquisador Tobias Greitemeyer queria estudar como as letras das músicas impactavam atitudes e comportamentos dos adolescentes. Para fazer isso, ele expôs um grupo de adolescentes a canções “socialmente conscientes” com uma mensagem positiva, como “Heal the World” de Michael Jackson. O outro grupo ouviu canções com uma mensagem considerada “neutra”. Os pesquisadores, então, “acidentalmente” derrubaram um copo com lápis. O grupo que ouvia músicas positivas não apenas correram para ajudar mais rapidamente, como também pegaram cinco vezes mais lápis do que o outro grupo.

9. Analfabetismo

Um estudo de 2009 comparou dois grupos de alunos de segunda série e sugeriu que a aprendizagem de música aumenta habilidades de leitura. Cada grupo foi testado para a alfabetização antes e depois do ano letivo. Os escores de fim de ano para o grupo que não estudava música melhorou apenas ligeiramente, enquanto as crianças com um ensino de música tiveram uma pontuação significantemente maior, especialmente em testes de vocabulário.

10. Vendas baixas de bebidas

Você é dono de uma loja de vinhos que sofre com o estoque enorme de vinho alemão? Tente tocar algumas músicas alemãs na sua loja. Um estudo de 1999 mostrou que isso impulsiona as vendas de vinho alemães. Da mesma forma que tocar música francesa impulsionou as vendas de vinhos franceses. Os clientes disseram que estavam completamente alheios à música que estava sendo tocada.

Via: Mental Floss

Categorias: Destaque

Deixe uma réplica

Seu email não pode ser publicado.