10 curiosidades sobre cães e gatos que você provavelmente não sabia

Confira dez fatos curiosos sobre cães e gatos encontradas no livro Citizen Canine: Our Evolving Relationship with Cats and Dogs:

Gatos não vieram do Egito  — Historiadores já defenderam  que gatos foram domesticados no Antigo Egito, há cerca de 4 mil anos atrás, com base na aparência dos felinos na arte da época. Mas evidências arqueológicas e genéticas recentes sugerem que os gatos surgiram em Israel, Turquia e Iraque, e foram domesticados há 10 mil anos atrás — cerca de 5 mil anos antes do surgimento da civilização egípcia.

Cães podem ser mais inteligentes que chimpanzés  — Aponte para alguma coisa, e um cão vai olhar para o que você está apontando. Embora isto possa parecer uma habilidade simples, os nossos parentes mais próximos, os chimpanzés, não a possuem. Isso significa que os cães (e ao ​​que parece, os gatos também) podem possuir uma “teoria da mente” rudimentar – uma capacidade de intuir o que os outros estão pensando, o que é raro no reino animal.

Um massacre de gatos na Europa pode ter provocado a Peste Negra  — No início do século XIII, o Papa Gregório IX emitiu um édito que ligava os gatos à bruxaria e Satanás. Isso culminou com uma onda de matança de gatos por séculos, com os pobres felinos sendo apedrejados, pendurados e jogados nas fogueiras da Europa Medieval. Alguns historiadores acreditam que a quase extinção dos gatos permitiram que a quantidade de ratos portadores da praga aumentasse, ajudando a espalhar a Peste Negra que dizimou metade da população humana da Europa.

Cães eram enterrados em cemitérios humanos na Roma Antiga  — Os egípcios antigos adoravam os seus gatos, já os romanos antigos reverenciavam seus cães. Eles enterraram seus cãezinhos em cemitérios humanos, escrevendo elogios sentimentais para eles. “Estou em lágrimas enquanto te deixo em seu último lugar de descanso”, diz um, “tanto quanto me alegrei ao trazer você para casa com minhas próprias mãos há quinze anos.”

Cães e gatos são considerados propriedades — Embora possamos ver nossos animais de estimação como membros da família, a lei os classifica como propriedade, não são diferentes de um sofá ou uma torradeira. Este status é realmente um upgrade – um século atrás, os gatos e os cães eram considerados legalmente sem valor: poderiam ser roubados e mortos sem repercussão.

As coisas estão mudando — Nas últimas décadas, alguns juízes têm considerado animais de estimação mais do que uma simples propriedade.Alguns são tratados como crianças em casos de custódia, para decidir com quem devem ficar após um divórcio. Nos EUA, foram promulgadas leis anti-crueldade, punindo os abusadores com até dez anos de prisão e 125 mil dólares em multas.

No início, cães e gatos não eram criados dentro das casas  —  Gatos e cachorros só se tornaram verdadeiros membros da família a partir do momentos em que começaram a viver em nossas casas. Isso só aconteceu no final dos anos 1800, com o advento de shampoos para eliminar pulgas e carrapatos.

Animais de estimação costumam ser resgatados em desastres naturais  — Quase a metade das pessoas que não abandonaram suas casas durante o Furacão Katrina, ficaram para trás por causa de seus animais de estimação; e muitas delas morreram. No rescaldo da tempestade, o Congresso americano aprovou uma lei obrigando as agências de resgate a salvarem animais de estimação em desastres naturais.

Cachorros já foram representados por advogados  -– Nos EUA, houve pelo menos três processos judiciais desde 2007, onde um juiz atribuiu uma representação legal a um cachorro. Em 2012, por exemplo, um juiz da Georgia solicitou um advogado para um pit bull que havia sido condenado à morte por atacar uma criança pequena. O advogado argumentou com sucesso para poupar o cachorro, que agora vive em um abrigo em Nova York.

A maioria dos proprietários estariam dispostos a arriscar suas vidas para salvar seus animais de estimação — De acordo com uma pesquisa recente, mais de 90% dos proprietários consideram seus animais de estimação como um membro da família. Para mais da metade, seria “muito provável” que arriscassem suas vidas para salvar seus animais de estimação, e – caso estivessem presos em uma ilha deserta — metade dos proprietários afirmaram que preferem viver seus dias com um gato ou um cão do que com um humano.

Via: Huffington Post

Categorias: Destaque

Deixe uma réplica

Seu email não pode ser publicado.